quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011


2 comentários:

JOSÉ ROBERTO BALESTRA disse...

Carlucha, quando uma pessoa atinge esse grau de reconhecimento, eis o magno sinal de que sequer as vicissitudes do materialismo cruel da vida tã capitalista que nos é impingido conseguiram impedi-la de transcender a barreira do ceticismo, alcançando a própria essência, o imo, o prêmio de valer-viver.

Desconheço Ana Jácomo, porém, nessas palavras deixo-lhe meu sincero abraço pela elevação pessoal.

Abs

Bar do Bulga disse...

Mas que coisa tão linda...

Arquivo do blog